MENU

Beerfood
Categoria

4948

Linguiça no Melaço da Cerveja

Beerfood, Carnes, Comida de Boteco

13/05/2019

Ela está presente em todas as aberturas de churrasco, em todos os menus de bares e em peças-chave da culinária brasileira, como a feijoada. Hoje, conheceremos um pouco mais sobre a história da popular e querida linguiça.

Não se tem exatamente um registro oficial da primeira linguiça que surgiu no mundo, uma vez que sua origem é mais do que milenar. Sabe-se, no entanto, que a linguiça apareceu como meio de preservação dos alimentos de caças, cuja carne picada era salgada, misturada com a gordura do animal e protegida por pele de tripa, numa espécie de bolsa em formato roliço.

A origem da palavra linguiça é associada à italiana “luganega”, que faz referência a um antigo povo da região histórica da Lucânia, ao sul do país, que confeccionava este tipo de embutido. Numa provável troca cultural gastronômica, os romanos associavam a trouxinha de carne como algo daquela região e se referiam a essa comida desta maneira.  

Segundo destacado no portal Wikipédia, um dos registros históricos mais antigos e famosos acerca deste tipo de alimento data do ano 60 d.C. – isto é, há quase dois mil anos. Em sua obra Satíricon, o escritor romano Petrônio descreve as aventuras do jovem Encólpio pela Roma Antiga quando, num jantar:

“Fuerunt tomacula super craticulam argenteam ferventia posita, et infra craticulam

Syriaca pruna cum granis Punici mali”.

– Isto é –

Linguiças que fumegavam numa churrasqueira de prata, e, embaixo da churrasqueira,

Havia ameixas, damascos e grãos de romã

Dos caçadores, passando pelo Império Romano até o seu prato nos dias de hoje, a linguiça viajou o Atlântico e foi trazida pelos portugueses no século XVI ao Brasil. Praticamente um sinônimo de churrasco na atualidade, não há nada melhor do que uma suave combinação apimentada com um refrescante gole de cerveja para alegrar a sua tarde. 

Linguiça no Melaço da Cerveja

Ingredientes

  • 480g de linguiça de carne suína
  • 1 xícara de açúcar mascavo
  • 1 lata de cerveja escura

Modo de preparo

Corte as linguiças em fatias não tão pequenas, misture o açúcar e a cerveja escura, leve ao fogo baixo para cozinhar. Mexa de vez em quando até o caldo caramelizar e reduzir. Em 40 minutos sua receita estará pronta.

Dica: cuidado para não deixar o melaço queimar ou ficar puxa-puxa demais, ele tem que ficar encorpado, um pouco mais líquido do que uma calda de pudim, por exemplo.

Fonte da receita: Na minha panela (contém adaptações)

Com informações de: Charcutaria Online, Fernando Barroso, Perseus Digital Library e Wikipédia

Leia Mais

1394

Bacalhau na Cerveja

Beerfood, Peixes e Frutos do Mar

22/04/2019

E lá se foi a Quaresma. Num país de maioria católica, como o Brasil, muitas pessoas aproveitaram a Páscoa para celebrar a Semana Santa que neste ano caiu entre os dias 14 e 21 de abril. Mas o que isso significa, afinal?

Lá no ano de 325 d.C., a Páscoa ficou estabelecida como o primeiro domingo após a primeira lua cheia do equinócio da primavera no Hemisfério Norte. Isto é, quando a estação das flores e da colheita se apresenta ao mundo e a Lua aparece totalmente iluminada pela primeira dentro deste período. Por este motivo a Páscoa é sempre um feriado móvel.

A simbologia não poderia ser mais clara: renascimento, ressurreição e hora de comemorar. Segundo a tradição cristã, foi no domingo de Páscoa que Jesus Cristo ressuscita à vida após o terceiro dia no mundo dos mortos. Trata-se, também, do fim dos quarenta dias de penitência, conhecidos como Quaresma, em que finalmente os cristãos já não precisam realizar o jejum diário segundo a Bíblia.

Já o bacalhau foi introduzido ao Brasil através da corte portuguesa. Lembrando que a dieta de carnes sempre foi um artigo de luxo ao longo da História, o bacalhau por se tratar de um produto relativamente popular na época, a preços acessíveis, este peixe representava a fartura na hora da celebração católica – um símbolo de opulência e de esbanjar a fartura.

Com apoio popular e muita devoção, os brasileiros fizeram do bacalhau um exemplo de prato típico na Páscoa. Hoje, nós trazemos uma receita turbinada aos que apreciam uma boa cerveja para, enfim, comemorar os felizes tempos de colheita e devoção.

Bacalhau na Cerveja  

Ingredientes

  • 600 g de bacalhau fatiado
  • 1,5 kg de batatas
  • 1 Pimentão Vermelho
  • 3 cebolas
  • 3 dentes de alho
  • 1 lata grande de tomate pelado
  • 1 lata de cerveja clara
  • 15 ml de azeite
  • Azeitonas pretas
  • Sal e pimenta

Modo de Preparo

Descasque as batatas, corte-as em rodelas grossas, lave-as, coza-as em água temperada com sal durante 15 minutos e depois escorra.

Descasque as cebolas e os alhos, corte as cebolas em meias luas finas e pique os alhos. Lave o pimentão, retire as sementes e peles brancas e corte-o em tiras. Leve a panela ao fogo médio com o azeite e alhos, deixe aquecer, adicione a cebola e deixe cozinhar até ficar macia. Adicione em seguida as tiras de pimentão, misture, junte o tomate pelado picado com o molho, mexa e deixe ferver. Junte então o bacalhau e a cerveja, deixe ferver, adicione sal e tempere com uma pitada de pimenta.

Ligue o forno a 180 graus. Coloque as batatas num pirex, cubra com a mistura do bacalhau e leve ao forno durante 30 minutos. Retire e sirva quente polvilhado com salsa picada e decorado com azeitonas pretas.

Fonte da Receita: Receitas e Menus (contém adaptações)

Com informações de: Significados

Leia Mais

1529

Dia da Mentira – Feijão Vermelho

Beerfood, Receitas Típicas

01/04/2019

Pode até parecer mentira, mas o primeiro imperador do Brasil, o português Dom Pedro I, gostava mesmo era de um prato bem brasileiro: arroz, feijão e carne. Com diversos serviçais que provavam a comida do rei para ver se não estava envenenada, a fama do imperador trazia algumas consequências a sua vida pessoal.

Amado e odiado, Dom Pedro teve uma vida pessoal conturbada, com relatos de diversas crises de hiperatividade, ataques epiléticos e casos extraconjugais. Por se tratar de uma figura pública, nem mesmo ele, o rei, foi perdoado em primeiro de abril de 1828. Segundo a publicação “A Mentira”, que relatava a vida dos famosos da época, o periódico noticiou o seu falecimento – o que viria a acontecer apenas sete anos mais tarde, em 1834 em decorrência de uma crise de tuberculose. O jornal teve que se retratar no dia seguinte e desmentir a notícia.

Tanto Portugal quanto o Brasil já haviam aderido à famigerada data numa importação cultural francesa. Tudo isso porque, em 1584, o rei Carlos IX da França passou a adotar o calendário gregoriano cujo ano se iniciava em primeiro de janeiro. Diferente do calendário anterior, cuja mudança de ano era festejada em 25 de março, com a chegada da primavera europeia, o novo calendário foi rejeitado por uma parcela da população francesa que se recusava a comemorar o fim do ano em dezembro, passando a ser ridicularizada pelos demais cidadãos.

Entre outras brincadeiras, aqueles que não queriam que o ano novo se iniciasse em primeiro de janeiro passaram a ganhar presentinhos bobos e convites a festas em lugares que não existiam. De forma geral, esta brincadeira se extravasou pelos povos europeus e foi trazida à América, sendo celebrada até os dias de hoje.

Se as histórias que circulam sobre Dom Pedro I são reais ou não, talvez jamais saberemos, mas uma coisa é certa: hoje é um dia no qual todas as mentiras são, em parte, verdadeiras.

Feijão vermelho na cerveja

Modo de preparo

  1. Ponha o feijão de molho em água fria de véspera.
  2. Leve ao fogo os alhos picados, a linguiça cortada em rodelas e a margarina.
  3. Deixe saltear um pouco, adicione o tomate pelado sem sementes, cortado em quadradinhos, tape a panela e deixe ferver durante 5 minutos.
  4. Escorra o feijão, coloque-o numa panela, cubra com água fria e deixe-o ferver durante 20 minutos.
  5. Adicione o feijão depois de bem escorrido e junte ao preparado anterior.
  6. Tempere com sal e adicione a cerveja.
  7. Tape e deixe cozer sobre fogo médio cerca de uma hora, até os feijões estarem bem cozidos.
  8. Depois de pronto, polvilhar com cominhos a gosto.

Ingredientes

  • 250 gramas de feijão vermelho
  • 4 dentes de alho
  • 50 gramas de margarina
  • 1 linguiça
  • 4 unidades de tomate maduros
  • 1 malagueta fresca vermelha
  • 1 malagueta fresca verde
  • 300 ml de cerveja clara
  • sal e cominhos a gosto

Leia Mais

7508

Bolo de Cerveja Escura

Beerfood, Doces e Sobremesas

15/03/2019

Existem fatos tão consolidados e arraigados em nossa cultura que muitas vezes não paramos para pensar de onde eles vêm e o porquê. Imagine-se, por exemplo, como um viajante espacial chegando a um planeta desconhecido. Neste planeta, os seres de um clã se reúnem uma vez ao ano em torno de um deles, acedem fogos e aderem a um cântico uníssono e breve, seguido por uma manifestação física ruidosa e depois silêncio. Soa familiar?

De acordo com o portal Superinteressante, o ritual de se comemorar um aniversário data mais de 5.000 anos. Com registros oficiais do Egito antigo, a tradição que antes era reservada apenas aos deuses e semideuses, isto é, aos faraós e seres do outro mundo, passou a ser “popularizada” também aos reles mortais. Embora, há muitíssimo tempo, o cristianismo havia proibido tal prática – por justamente não corresponder à adoração de um único deus –, a Igreja foi a responsável por trazer o aniversário de volta ao calendário Ocidental com a comemoração do nascimento de Cristo no dia 25 de dezembro.

Dentre uma das possíveis explicações para o formato da festividade, com um bolo redondo preenchido de velas, figura-se a reverência da Grécia antiga à deusa Artêmis, a deusa da Lua. O redondo simbolizava a Lua cheia e as velas a sua luz refletida na Terra.

Ainda mais inusitado, segundo o portal Bonde, antes de passarem a representar a comemoração dos seres terrestres, os antigos romanos tinham uma tradição bem peculiar: as famílias ricas preparavam deliciosos bolos para o casamento de seus entes queridos, mas, ao invés de os saborearem, eles eram amassados e jogados em direção aos noivos como símbolo de boa fortuna e adoração aos deuses.

Já na passagem da Idade Média para a Idade Moderna após o período das Grandes Navegações, o cacau trazido da América pelos espanhóis nos séculos XV e XVI marcam a profunda associação (para não dizer reverência) do bolo com o chocolate. Hábito comum nas grandes cortes europeias, as tortas recheadas com mais de um andar passaram a ser símbolo de status e opulência: quanto maior, mais nobre era a família.

Por isso, não fique surpreso(a) se um dia um viajante de outro mundo vier nos visitar e perguntar o motivo desta tão peculiar tradição de aniversário. Basta dizer ao nosso amigo interestelar que, entre a comemoração à deusa da Lua, o nascimento de Cristo, os faraós e seres de outro mundo, desejamos a um ente querido uma boa vida, regada de muita riqueza e felicidade.

 

Bolo de Cerveja Escura

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 2 xícaras (chá) de açúcar
  • 1 xícara (chá) de cerveja escura
  • 3 ovos
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de Preparo

  1. Bata as claras em neve e reserve.
  2. Em um recipiente misture a farinha, o açúcar, as gemas, a cerveja escura e bata até a massa ficar homogênea.
  3. Acrescente o fermento e as claras em neve e misture bem.
  4. Despeje em uma forma untada.
  5. Leve ao forno pré-aquecido por aproximadamente 40 minutos.
  6. Cobertura a gosto.


Informação de: Portal Bonde, Superinteressante
Fonte da receita: Tudo Gostoso (contém adaptações)

Leia Mais

4317

Nhoque de Semolina Com Camarões na Cerveja

Beerfood, Peixes e Frutos do Mar, Receitas Típicas

11/02/2019

Dentro de um mundo empresarial, dir-se-ia que o nhoque é um verdadeiro case de sucesso. Isto é: uma comida de origem simples, aparentemente pouco sofisticada, que caiu no gosto de todos os homens e mulheres do Ocidente, sejam eles pobres ou ricos, fãs ou não da culinária italiana.

Embora não se tenha conhecimento de quando precisamente o nhoque surgiu, existem registros desse tipo de massa desde a Idade Média. Outrora chamado de “macarrão”, o termo que em italiano representa o plural da palavra “gnocco”, “ou pelotinha de farinha amassada” – segundo o sociólogo Gabriel Bolaffi em seu livro A Saga da Comida – passou a ser comumente usado na Itália, resignando esta mistura clássica de farinha e miolo de pão.

Tal hábito de utilizar o pão velho ralado ou moído na massa era uma maneira que a classe mais pobre italiana tinha de aproveitar os restos dos alimentos, principalmente em tempos de crises e guerras. Mas nem por isso os mais ricos, que não economizavam na farinha nem mesmo nos tempos mais sombrios, deixaram de aprovar esta deliciosa massinha caseira.

À sua base, que era composta de farinha de trigo até os meados do século 16, passou-se a adicionar farinha de polenta com a chegada do milho na Europa e também a batata, com a chegada deste tubérculo por volta do mesmo período.

Já o costume de comer nhoque todo dia 29 também surgiu na Idade Média.  De acordo com a lenda de São Pantaleão, o pobre santo andarilho pediu comida a uma família pobre que, oferecendo-lhe o que podia, dividiu a massa cozida em sete bolinhas por pessoa e as serviu ao bendito homem num pratinho. Ao despedir-se do santo, os donos da casa perceberam que debaixo dos pratos havia moedas de ouro.

Para você que está procurando uma fezinha, basta colocar uma moeda debaixo do prato antes de comer o seu nhoque no dia 29. Diz-se que a sorte estará ao seu lado durante os próximos 30 dias, até o 29 do mês seguinte.

Fato ou mito, nunca saberemos… mas como dizem que basta crer para ver e a massa é uma delícia, fica aí a nossa sugestão para o fim do mês.

Nhoque de Semolina Com Camarões na Cerveja

Ingredientes

Para o nhoque de semolina:

  • 1 ½ xícara de semolina (300g)
  • 1 litro de leite
  • 3 ovos
  • 2 colheres de sopa de manteiga sem sal (100 g)
  • 3 colheres de sopa queijo parmesão (140 g)
  • 1 colheres de café de sal
  • 12 colheres de sopa de queijo parmesão (40 g)
  • 1 colher de sopa de queijo parmesão para cada gnocchi (total de 200 g)
  • 2 colheres de sopa de manteiga sem sal (100 g)

Para o camarão:

  • 1 kg de camarão médio rosa
  • 30 g de alho picado
  • 15 g de pimenta vermelha
  • 1 cerveja long neck
  • Sal a gosto
  • Azeite extra virgem

Modo de preparo

  1. Esquente o leite e junte a semolina. Mexa com batedor ou com colher de pau até engrossar e deixe cozinhando por 5 minutos.
  2. Tire do fogo e acrescente a manteiga, mexa bem. Junte o ovo continue mexendo e, por último, acrescente o queijo parmesão.
  3. Volte para o fogo e deixe cozinhar por mais 10 minutos.
  4. Deixe esfriar um pouco e coloque na forma, acertando a altura de dois dedos (3 cm).
  5. Depois de esfriar, corte com aro de 5 cm ou copo de aperitivo.
  6. Na hora de servir, monte as rodelas de nhoque em assadeira untada de manteiga, cubra com queijo parmesão e leve ao forno para gratinar.

Modo de preparo do camarão:

  1. Enquanto os nhoques gratinam, doure os camarões em azeite.
  2. Quando estiverem quase dourados, junte o alho picado e a pimenta também bem picada.
  3. Deixe o alho começar a mudar de cor e junte a cerveja.
  4. Salgue a gosto e deixe reduzir.

Montagem

Sirva os camarões com 3 rodelas do nhoque de semolina e uma salada de agrião, rúcula e tomate cereja, temperada com azeite, mostarda e sal.


Com informações de: Italia Oggi, Revista Casa & Jardim e Wikipédia

Fonte da Receita: Casa Vogue

Leia Mais

8452

Sacolé/Geladinho de Cerveja

Beerfood, Doces e Sobremesas, Receitas Típicas

21/01/2019

Ah, o verão! Época de desacelerar a vida, usar menos roupa, preocupar-se com menos intensidade, caminhar com mais lentidão, saborear os pequenos prazeres da vida ao ar livre, respirar o cheiro da praia e as ondas do mar ou se enfiar num esconderijo secreto na montanha, longe de tudo e de todos.

Segundo matéria publicada em 26 de Novembro de 2005 pelo portal Terra, a cidade de Bom Jesus, a 653 km de Teresina, no Piauí, ainda detém o recorde brasileiro de temperatura máxima nacional, com escaldosos 44,7ºC. Não muito distante deste número estarrecedor, a cidade do Rio de Janeiro registou 43,2ºC em janeiro 1984.

Isso tudo, é claro, é fichinha perto de lugares como Azízia, na Líbia, que chegou a fazer 58 graus centígrados em 1922, ou os quase 57 graus centígrados no Vale da Morte, nos Estados Unidos em 1913.

Uma coisa é certa: não importa onde você esteja no Brasil, é hora de suar muito. Por isso, para além de um bom copo gelado de cerveja na sombra de uma rede, preparamos uma surpresa especial para o seu verão se tornar ainda mais divertido e – hum! – saboroso.

Divirta-se!

Gelinho/Sacolé de Cerveja

Rende: 4 unidades

Ingredientes

  • 300 ml de cerveja clara
  • 1/4 de xícara (chá) de açúcar
  • 1/4 de xícara (chá) de água

Modo de Preparo

  1. Coloque os ingredientes em uma panela pequena e leve ao fogo.
  2. Mexa até dissolver e deixe ferver por 3 minutos ou até surgirem bolhas grandes.
  3. Coloque o preparo em uma tigela e deixe esfriar um pouco.
  4. Separe em 4 saquinhos plásticos estreitos e pequenos, preencha cada um deles com a ajuda de um funil e feche-os com um nó.
  5. Coloque os saquinhos em uma assadeira e leve ao congelador por pelo menos 6 horas ou até o líquido endurecer.


Receitas da chef Heloisa Bacellar, do Lá da Venda, São Paulo, SP; ladavenda.com.br

Fonte da receita: Prazeres da Mesa

Com informações de: Superinteressante, Terra

Créditos da foto: Ricardo D`angelo

Leia Mais

404

Lasanha na Cerveja

Beerfood, Receitas Típicas

03/12/2018

No mundo da culinária, nem tudo é o que parece ser. Algumas certezas podem “evaporar” após uma pesquisada no assunto, deixando “queimada” aquela expectativa que nós tínhamos em relação a uma receita. Embora a lasanha seja uma comida tipicamente associada à culinária italiana, tradicionalmente como uma criação da cidade de Nápoles, existem registros históricos medievais que remontam as origens desta massa recheada a outros lugares que não a Itália.

Ainda que o país da bota tenha pego para si a deliciosa responsabilidade de se assumir como a mãe da lasanha, é possível que a própria palavra “lasanha” tenha nascido fora da Itália. Entre diversas teorias que se tem por aí, uma delas afirma que a etimologia da palavra lasanha vem do grego “lásanon”, que se referia à panela onde era servida tal comida. No próprio livro de receitas chamado “Fôrma de Cury”, publicado em 1390, Samuel Pegg – o então cozinheiro oficial do rei Ricardo II – utiliza a expressão “loseyn”, do inglês médio, para se referir a uma receita muito similar ao que se considera hoje por lasanha.

Segundo o portal Wikipédia, à diferença do que se tem hoje presente em qualquer lasanha, o tomate não era um ingrediente originário da receita, uma vez que esta fruta só passou a fazer parte da dieta europeia após a colonização europeia da América, com a chegada de Colombo neste lado do Atlântico em 1492.

Uma comida versátil, podendo ser adaptada a todos os gostos e exigências, na hora de devorar uma pratada desta você vai até esquecer quem é quem na luta pelo reconhecimento desta maravilha em formato de massa em fatia e muito recheio. Com o toque de bechamel e cerveja, você vai se sentir transportado à região da Emília-Romanha com um toque brasileiro.

Lasanha na Cerveja

Ingredientes

  • 15 folhas de lasanha.
  • 500 g de carne picada mista
  • 1 cebola pequena picada
  • Azeite a gosto
  • Sal
  • 1 lata de cogumelos
  • 1 litro de bechamel. (Metade para fazer bechamel de cogumelos e a outra metade para cobrir a lasanha no fim)
  • Queijo mozarela ralado.
  • 1 cerveja clara 269 ml
  • 1 pacote de sopa instantânea de cogumelos.

 

Modo de Preparo

  1. Numa frigideira, ponha um pouco de azeite e refogue a cebola. Quando começar a ficar dourada, junte a carne picada, tempere com sal e refogue bem.
  2. Tape a frigideira com uma tampa para cozinhar mais rápido. Quando estiver bem passada, retire do fogo e reserve tapado.
  3. Abra a lata de cogumelos e reserve metade do liquido da lata e escorra os cogumelos.
  4. Noutra frigideira, ponha azeite e refogue os cogumelos.  
  5. Dissolva o conteúdo da sopa instantânea de cogumelos na cerveja e na água que reservou da lata dos cogumelos, junte esta mistura aos cogumelos que tem na frigideira. Mexa.
  6. Depois de engrossar, junte metade do bechamel 500 ml a este molho de cogumelos e misture tudo de forma a obter um bechamel de cogumelos.
  7. Passe as folhas de lasanha por água quente para amolecerem. Unte um tabuleiro médio próprio para ir ao forno com margarina e disponha no fundo 3 folhas de lasanha.
  8. Por cima, coloque metade da carne picada cozinhada, coloque algum queijo ralado e metade do bechamel de cogumelos. Cubra com mais folhas de lasanha, depois a restante carne, queijo e o resto do bechamel de cogumelos, mais folhas de lasanha por cima.
  9. Termine regando com os 500 ml de bechamel e polvilhando com bastante queijo.
  10. Leve ao forno, pré-aquecido a 180ª durante cerca de 25 minutos.

 

Com informações de: Portal Educação e Wikipédia
Fonte da receita: Receitas na Rede (contém adaptações)

Leia Mais

218

Da Itália para o bar

Beerfood, Comida de Boteco, Receitas Típicas

19/11/2018

Praticamente um patrimônio culinário da humanidade, a pizza – ao contrário da grande crença popular – nasceu em algum lugar entre os povos hebreus e os povos do antigo Egito há mais de 5.000 anos, muito antes da Itália sequer existir no mapa.  Nesta deliciosa mistura relativamente simples de farinha e água, cada população adicionava sobre a base os ingredientes que lhes convinham (ou que possuíam à mão), de acordo com a sua época: os fenícios preferiam colocar cebolas e carnes, já os turcos besuntavam sobre a massa ervas e iogurtes salgados.

Outrora conhecida como “pão de Abrahão”, a “piscea” acabou desembarcando nos portos de Nápoles durante os períodos das Cruzadas na Idade Média e parece ter encontrado na Itália um lugar para chamar de seu. Por se tratar de um alimento relativamente barato e nutritivo, o prato caiu no gosto do povo e ganhou, séculos mais tarde, o seu primeiro estabelecimento comercial dedicado especialmente à confecção de pizzas: o Antica Port’Alba – fundado em 1830.

Segundo o portal Infoescola, “graças à habilidade do primeiro pizzaiolo da história, dom Raffaele Espósito, um padeiro de Nápoles a serviço do rei Umberto I e da rainha Margherita”, a pizza ficou conhecida em toda a Europa – e posteriormente em todo mundo – através da realeza italiana. Em homenagem às cores da bandeira italiana (branco, vermelho e verde), o mestre dom Raffaele Espósito se utilizou do tomate, manjericão e da mussarela para colorir a massa e criar a famigerada pizza de margherita em homenagem à rainha.

No Brasil, a pizza chegou posteriormente no final do século XIX e início do século XX com a grande imigração italiana às Américas. Com mais de um milhão de italianos desembarcando em terras nacionais somente entre 1884 e 1920, não é de se estranhar que, assim como os recém-chegados, o novo Brasil república adotaria rapidamente essa deliciosa criação milenar ao seu estilo de vida multicultural.

Buon appetito!

 

Massa de Pizza à Base de Cerveja

Ingredientes

  • 550 g de farinha de trigo
  • 15 g de fermento biológico fresco (um tablete ou 1 pacote de 10 g do fermento biológico seco)
  • 350 ml de cerveja pilsen (1 lata)
  • 3 ml de azeite de oliva
  • 10 g de açúcar cristal
  • 5 g de sal

Modo de Preparo

    1. Numa panela, aqueça a cerveja até aproximadamente 60ºC.
    2. É necessário esquentar na temperatura correta, pois se a cerveja estiver fria, o fermento não funciona e se estiver mais quente que isso, ele morre. Utilize um termômetro gastronômico para garantir melhores resultados.
    3. Desligue o fogo e dissolva o açúcar na cerveja.
    4. Amasse o fermento com um garfo, de forma a esfarelá-lo o máximo possível. Em seguida, adicione na cerveja e dissolva. Reserve por alguns minutos até que comece a reagir.
    5. Coloque a farinha de trigo e o azeite em uma bacia. Adicione a mistura da cerveja com a farinha e vá sovando até misturar tudo.
    6. Sove por cerca de 10 minutos até ter uma massa lisa e homogênea.
    7. Tampe a bacia com um plástico e deixe em um local quente, sem vento por cerca de 1 hora para que cresça.
    8. Preaqueça o forno em 200ºC.
    9. Unte duas formas grandes de pizza com um guardanapo besuntado de azeite, só para auxiliar a abertura da massa e também ajudar a dar uma douradinha no fundo da massa.
    10. Corte a massa em duas partes iguais.
    11. Leve ao forno já aquecido para pré-assar por aproximadamente 5 minutos.
    12. Depois disso, basta montar a cobertura e levar novamente ao forno para assar.

 

  • Também é possível guardar na geladeira, em um saco plástico, por uma semana aproximadamente, ou no congelador, também em um saco plástico bem fechado, por 3 meses.

 

 

Com informações de: Infoescola, Origem das Coisas, Superinteressante e Terra

Fonte da receita: Tudo Gostoso 

Leia Mais

276

Scotch Ale: A Poderosa Escocesa

Bebidas, Bom de copo, Histórias da Cerveja

22/10/2018

Era uma vez um país muito frio e chuvoso, em que boa parte do ano as terras desse lugar estão cobertas por uma fina capa de água intermitente, quando não tomadas pela fria geada e meses de neve. Nesta região dominada pelo verde musgo do solo sempre molhado, muitos homens e mulheres tentaram extrair o melhor da terra para a confecção de uma cerveja única e saborosa. Senhoras e senhores: bem-vindos à Escócia.

Com a impossibilidade de se cultivar um lúpulo de boa qualidade, as populações do norte do Reino Unido ou importavam a matéria-prima de regiões mais quentes do globo ou restringiam o uso do lúpulo com o resto útil que lhes sobrava em mãos. Não à toa, as Scotch Ales são conhecidas por seu baixo teor de amargor e um sabor acentuado puxado para o malte e o caramelo. Originalmente, este malte ligeiramente marrom foi sendo substituído ao longo do tempo pelo malte tostado e pela cevada não-maltada para preservar a sua coloração marrom-cobreada original.

Divididas em quatro subcategorias gerais, que variam da menor à maior densidade e graduação alcoólica, os subtipos recebem o nome da antiga medida de preço (e qualidade) utilizada no século XIX para um barril da bebida comercializada. A medida descrita com o símbolo de uma barra e um sinal negativo indicam quantos schillings, ou frações libra não-decimais, cada barril valia. São elas: Scotch Ale light 60/-, ou leve, com teor alcoólico de até 3,5% ABV; heavy 70/-, ou pesada, com teor alcoólico entre 3,5% e 4% ABV; export 80/-, ou exportação, com teor alcoólico entre 4% e 5,5% ABV e Strong Scotch Ale, ou forte, também conhecida como wee heavy, com teor alcoólico acima de 6% ABV.       

Pelo fato das Strong Scotch Ale possuírem geralmente, mas não obrigatoriamente, um tempo maior de fervura, a caramelização dos açúcares do mosto e o aumento da densidade do mesmo geram uma cerveja mais doce e ao mesmo tempo mais alcoólica. Por isso, recomenda-se harmonizar uma Strong Scotch Ale com carnes mais intensas, como carne de cordeiro e javali ou sobremesas não tão açucaradas.

Um brinde às terras altas!

Com informações de: BJPC, Cerveja Magazine, Cerveza Artezana, Goronah e Wikipédia

Leia Mais

320

Rã na Cerveja

Beerfood, Carnes, Receitas Típicas

08/10/2018

Antes que você faça cara de nojinho, saiba que a carne de rã é uma iguaria em muitos países do mundo, incluindo a França, Alemanha e Japão, por exemplo. Além de uma carne extremamente saborosa, trata-se de um alimento muito saudável.

De acordo com estudo divulgado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no ano de 2009, a imigração europeia, notadamente a italiana, francesa, suíça e belga trouxe à América o hábito de consumir rãs em território nacional. Segundo a mesma pesquisa, as populações autóctones, indígenas, também já possuíam este hábito. Grandes ranicultores – aqueles que possuem criações de rãs – datam desde 1935 sua presença no Brasil, mas a produção e consumo deste tipo de alimento oscilou bastante durante o século XX e o início do século XXI.

O estudo também informa que a carne de rã possui 17% de proteína – teor semelhante à da carne de frango e de peixe –, baixo teor de colesterol – cerca de um terço em relação à carne de boi e menos da metade em relação à carne de porco – e “é muito prescrita para pacientes com carência de cálcio e osteoporose, por conter quantidade elevada de cálcio”.

Embora não haja estudos atuais conclusivos sobre a produção e consumo em território nacional, segundo o levantamento de 2016 feito pelo IBGE publicado pelo jornal O Globo, foram identificadas 160 toneladas de produção de rã no Brasil, embora este número pareça refletir apenas um terço da real produção no país. Isto significa, portanto, que somos o segundo maior produtor mundial de rãs, perdendo apenas para o Taiwan – país insular asiático notadamente conhecido pelo consumo deste anfíbio.

Em entrevista para o jornal Folha de Londrina, Sandra Akemi Bornia, proprietária do bar Izakaya, afirma: “Há preconceito só por causa do nome do prato, porque depois que as pessoas experimentam a carne, elas não costumam se arrepender. É um ótimo aperitivo, ainda mais acompanhado de uma cerveja gelada”.

Seguiremos seu conselho, Sandra: nada melhor do que abrir os horizontes para novas – e deliciosas – experiências. Um brinde!

 

Rã à Doré na Cerveja

Ingredientes

  • 6 rãs grandes
  • 1 dente de alho
  • Sal e pimenta a gosto
  • Suco de 1 limão médio
  • 100 ml de cerveja clara
  • Farinha de trigo para empanar
  • Óleo para fritar

Modo de Preparo

1.Tempere as rãs com o alho, sal, pimenta e limão.
2. Deixe descansar por 20 a 30 minutos com tempero na cerveja.
3. Passe na farinha de trigo, batendo bem para tirar o excesso.
4. Frite em óleo quente abundante.

Fonte da receita: Brejinha Boteco (contém adaptações)

Com informações de: Embrapa, Folha de Londrina e Globo Rural

Leia Mais