MENU

Beerfood
Categoria

117

Scotch Ale: A Poderosa Escocesa

Bebidas, Bom de copo, Histórias da Cerveja

22/10/2018

Era uma vez um país muito frio e chuvoso, em que boa parte do ano as terras desse lugar estão cobertas por uma fina capa de água intermitente, quando não tomadas pela fria geada e meses de neve. Nesta região dominada pelo verde musgo do solo sempre molhado, muitos homens e mulheres tentaram extrair o melhor da terra para a confecção de uma cerveja única e saborosa. Senhoras e senhores: bem-vindos à Escócia.

Com a impossibilidade de se cultivar um lúpulo de boa qualidade, as populações do norte do Reino Unido ou importavam a matéria-prima de regiões mais quentes do globo ou restringiam o uso do lúpulo com o resto útil que lhes sobrava em mãos. Não à toa, as Scotch Ales são conhecidas por seu baixo teor de amargor e um sabor acentuado puxado para o malte e o caramelo. Originalmente, este malte ligeiramente marrom foi sendo substituído ao longo do tempo pelo malte tostado e pela cevada não-maltada para preservar a sua coloração marrom-cobreada original.

Divididas em quatro subcategorias gerais, que variam da menor à maior densidade e graduação alcoólica, os subtipos recebem o nome da antiga medida de preço (e qualidade) utilizada no século XIX para um barril da bebida comercializada. A medida descrita com o símbolo de uma barra e um sinal negativo indicam quantos schillings, ou frações libra não-decimais, cada barril valia. São elas: Scotch Ale light 60/-, ou leve, com teor alcoólico de até 3,5% ABV; heavy 70/-, ou pesada, com teor alcoólico entre 3,5% e 4% ABV; export 80/-, ou exportação, com teor alcoólico entre 4% e 5,5% ABV e Strong Scotch Ale, ou forte, também conhecida como wee heavy, com teor alcoólico acima de 6% ABV.       

Pelo fato das Strong Scotch Ale possuírem geralmente, mas não obrigatoriamente, um tempo maior de fervura, a caramelização dos açúcares do mosto e o aumento da densidade do mesmo geram uma cerveja mais doce e ao mesmo tempo mais alcoólica. Por isso, recomenda-se harmonizar uma Strong Scotch Ale com carnes mais intensas, como carne de cordeiro e javali ou sobremesas não tão açucaradas.

Um brinde às terras altas!

Com informações de: BJPC, Cerveja Magazine, Cerveza Artezana, Goronah e Wikipédia

Leia Mais

119

Rã na Cerveja

Beerfood, Carnes, Receitas Típicas

08/10/2018

Antes que você faça cara de nojinho, saiba que a carne de rã é uma iguaria em muitos países do mundo, incluindo a França, Alemanha e Japão, por exemplo. Além de uma carne extremamente saborosa, trata-se de um alimento muito saudável.

De acordo com estudo divulgado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no ano de 2009, a imigração europeia, notadamente a italiana, francesa, suíça e belga trouxe à América o hábito de consumir rãs em território nacional. Segundo a mesma pesquisa, as populações autóctones, indígenas, também já possuíam este hábito. Grandes ranicultores – aqueles que possuem criações de rãs – datam desde 1935 sua presença no Brasil, mas a produção e consumo deste tipo de alimento oscilou bastante durante o século XX e o início do século XXI.

O estudo também informa que a carne de rã possui 17% de proteína – teor semelhante à da carne de frango e de peixe –, baixo teor de colesterol – cerca de um terço em relação à carne de boi e menos da metade em relação à carne de porco – e “é muito prescrita para pacientes com carência de cálcio e osteoporose, por conter quantidade elevada de cálcio”.

Embora não haja estudos atuais conclusivos sobre a produção e consumo em território nacional, segundo o levantamento de 2016 feito pelo IBGE publicado pelo jornal O Globo, foram identificadas 160 toneladas de produção de rã no Brasil, embora este número pareça refletir apenas um terço da real produção no país. Isto significa, portanto, que somos o segundo maior produtor mundial de rãs, perdendo apenas para o Taiwan – país insular asiático notadamente conhecido pelo consumo deste anfíbio.

Em entrevista para o jornal Folha de Londrina, Sandra Akemi Bornia, proprietária do bar Izakaya, afirma: “Há preconceito só por causa do nome do prato, porque depois que as pessoas experimentam a carne, elas não costumam se arrepender. É um ótimo aperitivo, ainda mais acompanhado de uma cerveja gelada”.

Seguiremos seu conselho, Sandra: nada melhor do que abrir os horizontes para novas – e deliciosas – experiências. Um brinde!

 

Rã à Doré na Cerveja

Ingredientes

  • 6 rãs grandes
  • 1 dente de alho
  • Sal e pimenta a gosto
  • Suco de 1 limão médio
  • 100 ml de cerveja clara
  • Farinha de trigo para empanar
  • Óleo para fritar

Modo de Preparo

1.Tempere as rãs com o alho, sal, pimenta e limão.
2. Deixe descansar por 20 a 30 minutos com tempero na cerveja.
3. Passe na farinha de trigo, batendo bem para tirar o excesso.
4. Frite em óleo quente abundante.

Fonte da receita: Brejinha Boteco (contém adaptações)

Com informações de: Embrapa, Folha de Londrina e Globo Rural

Leia Mais

43864

Gelatina de Cerveja

Beerfood, Doces e Sobremesas, Receitas Típicas

01/10/2018

Segundo o portal Origem da Palavra, o termo “gelatina” veio do francês (“gélatine”), que veio do latim (“gelu”) – que significa gelo – que por sua vez veio do indo-europeu, “gel” ou “frio”. Existem registros do uso da gelatina na culinária a partir do século XV na Inglaterra e desde 1754 é uma fórmula patenteada pelos britânicos. Hoje em dia, a gelatina é tanto utilizada para a culinária (doces, sopas e clarificação de bebidas, como a cerveja) quanto para usos mais técnicos e medicinais, como as capas das pílulas dos remédios que consumimos (totalmente digeríveis pelo nosso organismo) e extratos de cola.

De acordo com o website Encyclopedia.com, a gelatina foi provavelmente descoberta ao acaso: ao ferver os restos de ossos e gorduras de animais por mais de seis horas em fogo lento, obtém-se um caldo aglutinante. Durante a Idade Média, ter gelatina em casa era sinônimo de riqueza pois exigia muita mão de obra e carne para o abate.

Atualmente, existem dois tipos de gelatina: aquelas de origem animal, feitas a partir do colágeno da pele de boi ou porco e aquelas de origem vegetal, fabricadas a partir de algas. Após sua obtenção, o material é raspado, tratado quimicamente, filtrado, esterilizado, seco e moído. Ao colocarmos o pó da gelatina em água quente acima de 70ºC, rompe-se com a fraca ligação que une as tranças microscópicas do material. Elas se afastam uma das outras e, ao esfriar, a água ocupa o espaço entre as tranças, fazendo com que a gelatina ganhe este aspecto “meio líquido e meio sólido”.

Além de uma baita invenção, a gelatina é uma sobremesa universal que pode ser combinada com qualquer tipo de alimento e líquidos, incluindo frutas, chocolate e bebidas alcoólicas. Na receita de hoje, faremos uma versão para os amantes da cerveja.

Bom apetite!

Gelatina de Cerveja e Pêssegos

 Ingredientes

Gelatina de cerveja

  • 600ml de cerveja Lambic, preferencialmente de baixo teor alcoólico
  • 40g de açúcar refinado
  • 7 folhas de gelatina incolor

Gelatina de pêssegos e leite de coco

  • 300ml de água
  • 1 sachê de gelatina em pó sabor pêssego
  • 100g de leite condensado
  • 80ml de leite de coco

Gelatina de pêssegos

  • 150ml de água
  • 1 sachê de gelatina em pó sabor pêssego
  • Pêssegos em calda
  • 150ml da calda do pêssego

Modo de preparo

  1. Gelatina de cerveja

Hidrate as folhas de gelatina em água, de 2 a 3 minutos, depois esprema até sair totalmente o líquido. Use na sequência. Leve ao fogo 300ml de cerveja e ferva por 3 minutos, até evaporar o álcool. Coloque o açúcar e, fora do fogo, acrescente a gelatina hidratada. Dissolva bem todos os ingredientes, juntando mais 300ml de cerveja gelada. Comece a montagem da sobremesa em taças individuais, que será por camadas. Leve então ao refrigerador por 15 minutos a primeira gelatina, que é a de cerveja.

  1. Gelatina de pêssegos e leite de coco

Leve ao fogo 150ml de água para ferver. Retire do fogo e acrescente a gelatina em pó sabor pêssego e dilua bem. Acrescente mais 150ml de água gelada, o leite condensado e o leite de coco. Misture bem e faça então a segunda camada nas taças. Volte a gelar por 15 minutos.

Montagem do prato

Coloque fatias de pêssegos, ou picadinhos ou inteiros, em cima da segunda camada de gelatina. Isso você deve fazer quando esta segunda camada estiver quase firme. Faça então a terceira e última camada de gelatina de pêssegos cobrindo a fruta: coloque para ferver a água e dilua a gelatina, acrescente a calda de pêssegos gelada. Coe, e coloque em cima dos pêssegos assim fazendo a terceira e última camada de gelatinas. Leve por mais 15 minutos ao refrigerador e decore com pequenos quadradinhos feitos de gelatina de cerveja.

Fonte da receita: Revista Habitare (contém adaptações)

Com informações de: Encyclopedia.com, Origem da Palavra, Só Biologia, Superinteressante e Vida Ativa

 

Leia Mais

414

Patê de Cerveja ou Obatzda

Bebidas, Beerfood, Receitas Típicas

03/09/2018

O bom cervejeiro e a boa cervejeira que se prezem sabem se alimentar bem para curtir a sua bebida favorita. Por isto hoje lhe trazemos uma deliciosa receita direto da Baviera, região sul da Alemanha, cuja capital Munique é referência mundial em produção e consumo de cerveja.

Conhecido como Obatzda, este típico patê alemão-baviero é consumido nos Biergarten, ou “jardins de cerveja”, no qual grandes porções de bebida são intercaladas com grandes porções de comida. Para manter o ou a atleta em jogo, serve-se o Obatzda com o pão igualmente típico da região, conhecido como Brezel.

Desde 2015, o Obatzda adquiriu o registro de “Comida da Baviera” da União Europeia, cuja indicação geográfica protegida (PGI, na sigla em inglês) confere aos produtores locais a sua origem exclusiva.

Seu nome vem do bávaro e significa “triturado”. Segundo antigos relatos, a origem desta iguaria advém de uma reciclagem de queijos não consumidos, em especial o camembert e outros queijos de massa mole, que ao invés de pararem na lata do lixo, ganhavam um resinificado nesta deliciosa massa picante.

Como dizem os alemães: Prost! ou Saúde!

 

Ingredientes

  • 150g de queijo Camembert (sem a crosta branca)
  • 1 colher de sopa (bem cheia) de manteiga
  • 150g de cream cheese
  • 6 colheres de sopa de cerveja preta
  • 1/2 cebola picada
  • 2 colheres de sopa de paprica picante em pó
  • Cebolinha picada a gosto
  • Sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo

  1. Numa tigela, misture o queijo camembert, a manteiga e o cream cheese.
  2. Acrescente a cerveja, e misture até formar uma pasta bem homogênea.
  3. Adicione a páprica em pó, a cebola, a cebolinha, o sal e a pimenta. Se necessário, acrescente mais um pouco de cerveja.
  4. Leve à geladeira por 20 minutos e sirva.


Fonte da receita: Pip Receitas

Leia Mais

8723

Todo Dia é Dia de Panqueca

Beerfood, Receitas Típicas

22/08/2018

As panquecas são muito, muito antigas. De acordo com o portal História de Tudo, elas nasceram na atual região do globo onde se localiza a França, mas estão aqui há mais de 9 mil anos. Isto é: as panquecas viram nascer o início da agricultura europeia, a Idade do Ferro inteira, a fundação de Roma, o auge e a queda do Império Romano, o nascimento do Budismo na China e a Idade Média e a Idade Contemporânea inteiras. Hoje elas fazem parte do cardápio do Ocidente e são consumidas de todas as formas e gostos.

Para se ter uma ideia de sua importância atualmente, a terça-feira de carnaval é comemorada no Reino Unido como o Pancake Day, ou “Dia da Panqueca” em português. Segundo as lendas, esta data se tornou popular por conta da Quarta-Feira de Cinzas, dia em que se dá o início à Quaresma, quando certos ingredientes como leite, ovos e manteiga são proibidos de serem consumidos em nome do jejum cristão até a Páscoa.

Segundo o portal inglês Statistics View, estima-se que o Dia da Panqueca possui pelo menos mil anos de idade no Reino Unido, sendo aproximadamente 117 milhões de panquecas feitas em casa neste dia – o suficiente para preencher 93 piscinas olímpicas com o leite utilizado e impressionantes 13 milhões de quilos de farinha de trigo, se juntados numa única porção.

Doces ou salgadas, as panquecas vieram para ficar. Entregue-se a estas belezinhas e faça da sua manhã, tarde ou noite, o seu próprio dia da panqueca. Com esta receita, você vai desejar que todo dia seja terça-feira de carnaval.

 

Panqueca Doce de Cerveja

Ingredientes

  • 3 ovos ligeiramente batidos
  • 250 ml de leite
  • 250 ml de cerveja
  • 225 g de farinha de trigo
  • 1 pitada de sal
  • 2 colheres (sopa) de óleo vegetal
  • 2 colheres (sopa) de manteiga

Modo de preparo

  1. Em uma tigela grande, bata os ovos com o leite e a cerveja. Acrescente a farinha aos poucos e volte a bater. Adicione o sal e o óleo. Então, bata vigorosamente por 3 a 5 minutos, até que todos os ingredientes estejam incorporados por completo.
  2. Deixe a massa descansar por 1 hora.
  3. Aqueça uma frigideira antiaderente, de 25 cm, em fogo médio. Pincele-a com manteiga. Quando estiver quente, mas não fumegante, despeje 1 concha de massa no centro da frigideira. Gire-a para que a massa cubra o fundo com uma camada fina, derramando qualquer excesso.
  4. Cozinhe o crepe até dourar de um lado, por 1 a 2 minutos. Depois, vire-o e cozinhe-o até dourar do outro lado, durante cerca de 30 segundos.
  5. Transfira-o para um prato e mantenha-o aquecido, cobrindo-o com papel-alumínio. Repita o procedimento até usar toda a massa.

Fonte da receita: All Recipes Brasil
Com informações de: História de Tudo, Londres para Iniciantes, Statitiscs View

Leia Mais

58384

Um cordeiro divino

Beerfood, Carnes

13/08/2018

Agnus Dei, ou “Cordeiro de Deus” em latim, representa na liturgia católica como o símbolo de Jesus Cristo, aquele que foi sacrificado para salvar a Humanidade do pecado original. Segundo o cristianismo, foi ele – Jesus Cristo – que possibilitou o fim dos sacrifícios de animais por ter se oferecido a Deus em nome de todos os pecadores.

Hoje em dia, para a nossa felicidade, a carne de ovelha e de cordeiro passou a cair no gosto do brasileiro. Segundo o portal Canal Rural UOL, a demanda por este tipo de carne é muito maior do que a própria oferta em solo nacional, o que faz com que ela tenha que ser importada de outros países.

Para Sarita Bonagurio Gallo, professora de Pequenos Ruminantes da FZEA/USP em reportagem ao portal Milkpoint, um dos principais problemas atualmente no Brasil é a falta de diferenciação e exigência do consumidor brasileiro frente às carnes de ovelha e cordeiro. Segundo ela “o carneiro é o animal adulto e o cordeiro é o animal com até um ano de idade. A qualidade da carne é influenciada pela idade do animal, pelo peso de abate, nutrição, sistema de manejo (pasto, confinamento), sexo e raça”. Em referência a um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Zaragoza, na Espanha, a professora reitera que enquanto “o sabor e aroma da carne é mais intenso nos animais mais velhos, principalmente nos animais abatidos com mais de um ano de idade, ou seja, a carne de cordeiro tem odor e sabor mais suave que a carne de carneiro”.

Sendo assim, é hora de aproveitar a estação da boa comilança para experimentar um novo sabor, certamente divino.


Cordeiro na Cerveja

Ingredientes

  • 1 kg de carne de cordeiro
  • 1 colher de farinha de trigo ou maizena
  • 8 colheres de sopa de óleo
  • 2 dentes de alho grandes com casca
  • 6 g de alecrim
  • 125 ml de creme de leite ou meio pacote
  • 300 ml de cerveja
  • 1 cebola grande
  • Sal a gosto
  • 200 ml de água ou uma xícara
  • 2 folhas de papel toalha

Modo de preparo

  1. Primeiro passo coloque o seu forno para aquecer a 180ºC
  2. Lave a carne com água e seque com papel toalha
  3. Passe sal e pimenta-do-reino na carne toda
  4. Coloque o óleo para esquentar e coloque a carne, o alecrim, a cebola, o dente de alho inteiro com a casca na panela
  5. Deve ser uma panela ou frigideira que não grude a carne
  6. Refogue a carne de um lado e do outro até ela toda ficar morena
  7. Depois de bem refogada tire a carne e coloque em uma forma
  8. Na panela em que está o resto do alho com o alecrim e a cebola acrescente a cerveja e a água
  9. Acerte o sal e deixe ferver
  10. Coloque este molho da cerveja na forma onde está a carne
  11. Tampe com papel alumínio para o molho da carne não secar rápido
  12. Deixe no forno por 2 horas, virando a carne na metade do tempo
  13. Caso o molho seque acrescente mais cerveja com água, regando a carne
  14. Corte a carne em pedaços e volte com ela para a forma sem o molho da cerveja
  15. Reserve o molho em um recipiente
  16. Volte a carne para o forno desligado, apenas para manter a temperatura
  17. Passe o molho em uma peneira para ele ficar limpo
  18. Coloque o molho ao fogo, dissolva a farinha de trigo em meio copo de água
  19. Quando o molho estiver quase fervendo coloque a farinha de trigo e mexa sem parar
  20. Quando o molho estiver meio grosso acrescente o creme de leite e sirva com a carne de cordeiro


Fonte da receita: Tudo Gostoso (contém adaptações)
Com informações de: Canal Rural UOL, Milkpoint, NCBI e Sebrae Mercados

Leia Mais

9486

Pãozinho Turbinado

Beerfood, Doces e Sobremesas

16/07/2018

Tem gente que chama de pão careca, tem gente que chama de pão de sal, outros mesmos pedem por “cacetinhos”. Antes que você pense besteira, estou me referindo aqui ao bom e velho pão francês.

Apesar do nome, o nosso pão “francês” muito se difere do pão mais consumido por lá, a baguette francesa. Segundo pesquisa realizada pelo Portal Vila Mariana, a tradição de comer este pequeno pão branco popularizou-se apenas no começo do século XX, antes da Primeira Guerra Mundial. Antes disso, era muito mais comum o hábito de se consumir pães escuros, à base de farinha pouco refinada.

Diversos fatores contribuíram para difundir o nosso pão branquinho à mesa do brasileiro, dentre eles vale a pena mencionar duas grandes mudanças que deram a cartada final do pão de sal sobre o antigo pão escuro: primeiro, com a Proclamação da República em novembro de 1889, o Brasil passou a se tornar um atraente mercado e começou a importar livremente, além de produtos e bens de consumo, costumes dos países com os quais mantinha relações na época – como França e Estados Unidos, por exemplo. Segundo, como o centro cultural do mundo ocidental se tratava da França em sua Belle Époque (Bela Época, em francês) – entusiasmada pelas grandes conquistas tecnológicas, sociais e artísticas – a elite brasileira trouxe (ou tentou trazer) os hábitos alimentares daquilo que era observado nas ruas de Paris. De acordo com o próprio Portal Vila Mariana, “um pãozinho que lá se fabricava, curto, cilíndrico, com miolo branco e casca dourada, crocante, tornou-se um mito!

Daí para a comprida e salgada baguette francesa se tornar um redondo e mais adocicado “pão francês” foi um pulo. O gosto do miolo mais macio, mais doce e de formato mais arredondado caiu na boca do povo. Sucesso entre ricos e pobres, brasileiros e imigrantes, o “pão brasileiro” – como é conhecido o nosso pão lá fora – é hoje quase um item obrigatório na mesa do café da manhã.

Pãozinho Doce de Cerveja

Ingredientes:

  • 1/2 xícara (chá) de açúcar
  • 1 colher (chá) de sal
  • 30 g de fermento biológico
  • 1/2 xícara (chá) de leite morno
  • 1 xícara (chá) de cerveja clara
  • 4 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 2 colheres (sopa) de manteiga ou margarina
  • 2 ovos
  • Margarina para untar
  • 2 colheres (sopa) de manteiga para pincelar
  • Açúcar para polvilhar

Modo de Preparo:

  • Misture todos os ingredientes amassando-os muito bem, até ficar uma massa homogênea
  • Deixe descansar por 30 minutos
  • Depois modele a massa, formando pãezinhos e coloque-os em uma assadeira untada
  • Deixe a massa bem grossa com cerca de 4 ou 5 centímetros de espessura e corte com um cortador redondo ou um copo, para formar os pãezinhos
  • Pincele com a manteiga e polvilhe o açúcar e deixe crescer por mais 30 minutos ou até dobrar de tamanho
  • Leve ao forno médio, preaquecido, por 30 minutos ou até dourar
  • Sirva

Fonte da receita: Tudo Gostoso.com.br
Com informações de Portal Vila Mariana.com e Wikipédia

Leia Mais

11091

Cerveja Junina

Beerfood, Doces e Sobremesas, Receitas Típicas

25/06/2018

O mês de junho traz sempre uma boa dose de festas recheadas de muita tradição, comilança e, por que não, bebida boa. Hoje, além de explorarmos um pouco mais sobre a origem da Festa Junina, deixamos de quebra uma deliciosa receita de bolo de milho para você chegar estalando igual a uma fogueira de São João.

Se você parar para pensar, a miscelânea de rituais durante a Festa Junina pode não fazer muito sentido: uma fogueira, um casamento dançante e uma fartura de comida. Mas olhando mais para trás, as peças começam a se encaixar melhor, uma vez que as comemorações juninas brasileiras têm, por excelência, uma forte influência de diversas culturas, incluindo a Igreja Católica Romana, tradições indígenas e antigos cultos a divindades pré-cristãs.

Segundo a mitologia grega, a disputa entre as deusas Afrodite e Perséfone pelo literalmente deus grego Adônis resultou num embate tão violento, que somente Zeus, o pai dos deuses, pôde dar um fim a este entrave, sentenciando o belo jovem a uma vida dividida entre duas esposas. A cada três meses, ou seja, a duração de uma estação, ele viveria entre os mundos da luz e o mundo das sombras. Cultuado no dia 24 de junho, o retorno de Adônis à luz marcava um novo começo para o povo grego. Posteriormente, esta data foi assimilada pela Igreja Católica, substituindo Adônis por São João Batista.

De acordo com a liturgia católica, a fogueira junina foi um sinal de Santa Isabel (mãe de São João) à Maria (mãe de Jesus) para lhe contar sobre o nascimento de seu filho João Batista. Tradicionalmente no Brasil, os dias 13, 24 e 29 de junho são datas comemorativas em homenagem a Santo Antônio – o santo casamenteiro –, a São João Batista – aquele que batizou Jesus Cristo – e São Pedro – discípulo de Jesus, considerado o primeiro Papa. Por ser uma festa de origem europeia, trazida pelos colonizadores portugueses, o fim de junho também marca outra ocasião especial: o final da primavera e o início do verão no Hemisfério Norte. Por isso, em homenagem à boa colheita, a fatura alimentícia se estende com um cardápio português recheado de milho verde, amêndoas e castanhas que, somada ao cultivo indígena a base de milho tradicional, batata-doce e mandioca, estes fecham o menu da quadrilha.

Por falar em dança, o início do verão no Hemisfério Norte sempre foi um motivo de comemoração aos povos europeus: do medieval faux-bourdon francês ao galego forbodó, o suingue brasileiro tropicalizou o baile através da sanfona e do bumbo e trouxe o forrobodó ao mundo, hoje com um apelido mais simpático, conhecido como “forró”.

Seja no Olimpo ou em Campina Grande, as grandes festas juninas trazem um enorme rendimento à população local, fomentam o turismo nacional e o comércio tradicional. Só em 2016, o governo brasileiro investiu mais de 6 milhões de reais por todo o país e esta cifra, apesar da crise, tende a crescer. Numa festa que abarca a católicos e não católicos, solteiros e comprometidos, comilões e não tão comilões, ficar de fora desta festa é quase um desafio.

Por isso, vista sua melhor roupa de casamento, traga a sua cerveja e seja bem-vindo(a) ao arraiá.

Bolo de Milho com Cerveja

Ingredientes

  • 1 lata de milho verde
  • 1 lata de óleo (medida da lata de milho)
  • 1 lata de açúcar (medida da lata de milho)
  • 1 lata de fubá (medida da lata de milho)
  • 4 ovos
  • 2 colheres (sopa) de farinha de trigo
  • 2 colheres (sopa) de coco ralado
  • 1 e 1/2 colher (chá) de fermento em pó
  • 200 ml de cerveja escura (IPA)

Modo de Preparo:

Num liquidificador, adicione o milho verde, o óleo, o açúcar, o fubá, os ovos e a farinha de trigo, depois bata até obter uma consistência cremosa.

Acrescente o coco ralado e o fermento, misture novamente.

Acrescente a cerveja e misture.

Despeje a massa em uma assadeira untada e leve para assar, em um forno médio a 180 °C, preaquecido por 40 minutos.

Fonte da receita: Tudo Gostoso (contém adaptações)\
Com informações de: Brasil Escola, Ministério do Turismo e Mundo Estranho

Leia Mais

6635

Cerveja na Chapa

Beerfood, Carnes

28/05/2018

O Dia Mundial do Hambúrguer é comemorado em 28 de maio. Por isso, nada melhor do que prepararmos, nós mesmos, uma singela homenagem à esta deliciosa peça da comida rápida, de sucesso internacional.

Embora muitos encarem o hambúrguer como uma receita tipicamente norte-americana, mais especificamente dos Estados Unidos, há indícios de que os povos tártaros comiam “fast-food” muito antes dos colonizadores europeus chegarem à América. Hoje em dia, os historiadores possuem indícios suficientes para concluir que a população nômade que vivia entre a Rússia e a Turquia por volta do século 12 e 13 parava para comer uma carne relativamente passada por conta do longo tempo de transporte a cavalo, amontada em formatos do atual hambúrguer.

Cerca de 600 anos depois, os alemães já haviam incorporado (e refinado) a receita como é conhecida hoje. Ao cruzarem o Atlântico no início do século XX para buscarem melhores oportunidades de vida na América, a menina dos olhos e terra da prosperidade numa Europa arrasada pelas guerras, acredita-se que o Porto de Hamburgo, pelo quaL os alemães adentravam o Novo Continente em Nova York, foi a porta de entrada para a popularização daquela carne “ao estilo de Hamburgo” – daí advém o nome “hambúrguer”.

Para se ter uma ideia, o registro oficial mais antigo que se tem desta iguaria na cidade de Nova York é de 1836. Com a chegada cada mais proeminente de alemães na cidade, foi apenas uma questão de tempo para que a receita germânica fosse adotada massivamente pelos norte-americanos.

No Brasil, a primeira cadeia de comida estilo fast-food foi aberta em 1952 na Rua Raimundo Correa, em Copacabana, na cidade do Rio de Janeiro, pelo americano Robert Falkenburg.

Agora, como dizem por aí, “fácil mesmo é comer, quero é ver é fazer!”. Por isso, é hora de arregaçar as mangas, chamar o(a) mestre cuca que há dentro de você e embarcar nesta onda americana – quer dizer… alemã, quer dizer… tártara, quer dizer… nossa.

Hambúrgueres Defumados de Cerveja Com Molho Cremoso de Mostarda

Ingredientes:

  • 900g de carne magra moída
  • 150g de queijo Gouda defumado e cortado em cubos de 0,6cm a 1,3cm
  • 1 cebola média ou 1/2 cebola grande
  • 2 colheres de chá de páprica doce defumada
  • 1 colher de chá de cominho em pó
  • Tempero para grelhados (recomendado: Montreal Steak Seasoning)
  • Sal grosso e pimenta do reino moída na hora
  • 2 dentes de alho ralados ou finamente picados
  • Punhado generoso de salsinha fresca finamente picada
  • 1 colher de sopa de molho inglês
  • 1/2 garrafa (350ml) de cerveja clara
  • Azeite de oliva extravirgem para regar
  • 1/2 xícara de mostarda marrom picante
  • 1/4 a 1/3 xícara de sour cream
  • 2 a 3 colheres de sopa de endro fresco picado ou 1 colher de chá de endro seco
  • 4 pães de hambúrguer cortados ao meio e levemente tostados
  • Alface de folha verde ou roxa para cobrir
  • Picles doces fatiados para cobrir

Modo de Preparo:

  • Preaqueça a grelha em temperatura média-alta.
  • Coloque a carne em uma tigela e adicione o queijo. Descasque a cebola e corte ao meio, se estiver utilizando meia cebola. Rale cerca de 3 a 4 colheres de sopa de cebola diretamente sobre a carne na tigela. Pique a cebola restante e reserva para cobrir. Adicione os temperos à carne: páprica, cominho e cerca de 1 colher de sopa de tempero para grelhados e/ou um pouco de sal e pimenta. Adicione o alho, salsa, molho inglês e cerveja, e em seguida molde 4 hambúrgueres grandes tornando-os um pouco mais finos no centro do que nas bordas.
  • Os hambúrgueres incham quando cozidos, portanto isso os torna uniformes. Regue um pouco de azeite sobre os hambúrgueres e então grelhe por cerca de 4 minutos de cada lado para o ponto médio-malpassado, 5 minutos de cada lado para ao ponto e 6 a 7 minutos de cada lado para bem passado.
  • Misture a mostarda e sour cream com o endro.
  • Coloque os hambúrgueres sobre as metades inferiores dos pães e cubra com a alface, picles e cebola crua picada. Passe o molho nas metades superiores dos pães e sirva.

Fonte da Receita: Food Network
Com informações de: Britannica, Calendarr, Fatos Desconhecidos

Leia Mais

1131

Um brinde à todas as mães

Beerfood, Doces e Sobremesas

09/05/2018

Pode anotar no seu calendário. Dia 13 de maio agora comemora-se não uma, mas duas datas especiais: o Dia das Mães e o Dia do Chefe de Cozinha. Para os mais afortunados, aqueles que possuem uma mãe chefe de cozinha, é hora de presenteá-la em dobro com uma deliciosa receita caseira.

No Brasil, comemora-se o Dia das Mães no segundo domingo do mês de maio. A data incorporada nos Estados Unidos no início do século XX foi trazida ao nosso país em 12 de maio de 1918, começando pela cidade de Porto Alegre. Na época, fora a Associação Cristã de Moços (conhecida mundialmente por seu acrônimo em inglês “Y.M.C.A” – ou aquele hit de sucesso da banda Village People). Com a popularização da festa e a pedido da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, o então presidente Getúlio Vargas tornou o segundo domingo de maio sua data comemorativa oficial em todo território nacional em 1932.

Segundo o Jornal do Comércio, trata-se da segunda melhor época para o comércio no Brasil, atrás apenas do Natal. Só neste ano, de acordo com as estimativas do Serviço de Proteção ao Crédito e da Confederação Nacional de Dirigentes e Lojistas, mais de 111 milhões de brasileiros devem ir às ruas presentear suas mães neste domingo, o que significa uma injeção de mais de 17 bilhões de reais nos setores de comércio e serviço.

Já o Dia do Chefe de Cozinha nasceu há menos tempo, em 1999. Tal data foi criada pela Associação Brasileira de Alta Gastronomia (ABAGA), cujo intuito foi “homenagear o ato e o prazer de cozinhar”.

Por isso que tal dar um presente original, feito por você mesmo(a)? Além de evitar filas e mais filas nos centros comerciais para aquelas compras de última hora, você poderá retribuir os anos de cuidado e deliciosos pratos maternos com apenas um gesto. Não se preocupe se por acaso você for apenas um filho ou uma filha sem talentos para a culinária, a receita abaixo é fácil de se fazer e não requer dons extraordinários, apenas muito amor, carinho e dedicação – ou seja, tudo isso que você aprendeu ao estar ao lado de sua mãe.

Bolo de Cerveja

Ingredientes:

  • 150 ml de cerveja clara
  • 2 colheres de fermento em pó
  • 200 g de margarina
  • 350 g de farinha
  • 4 ovos
  • 400 g de açúcar

Modo de Preparo:

  1. Amasse e bata muito bem a margarina com o açúcar até obter um creme esbranquiçado.
  2. Adicione os ovos, um a um, e a cerveja, mexendo e batendo durante 2 minutos.
  3. Junte a farinha e o fermento, em chuva, continuando a mexer até a farinha estar bem incorporada.
  4. Unte e polvilhe uma forma, deite nela o preparado e leve a cozer em forno médio (180º C) cerca de 40 minutos.

Fonte da Receita: Doces Regionais
Com informações de: Calendarr, Jornal do Comércio, Wikipédia

Leia Mais