MENU

Beerfood
Categoria

101

Nachos com Cerveja

Beerfood, Comida de Boteco

02/09/2019

¡Ándale, ándale! Que a nossa receita de hoje vem direto do terceiro maior país da América Latina, um lugar também conhecido por suas tradicionais bandas mariachi, chapéus gigantes e festas animadas que reverenciam o espírito daqueles que já partiram. Sim, estamos falando do México e sua rica cultura culinária.

Embora este país esteja presente no consciente coletivo do brasileiro médio muito por conta da série de televisão Chaves & Chapolin Colorado, o México possui uma bela e tradicional cultura indígena, refletida, ainda hoje, nos hábitos alimentares dos mexicanos. Trata-se do lugar cujo produto mais conhecido, o milho, que é o grão mais produzido atualmente no mundo, nasceu e foi distribuído a todo o planeta após a chegada dos europeus à América. Para se ter uma ideia, somente no México existem mais de 300 variedades da planta, derivadas de 64 espécies diferentes. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) de 2016, naquele ano foram produzidos mais de 1 bilhão de toneladas de milho, dentre os quais os maiores produtores se encontram o México, os Estados Unidos, a China e o Brasil.

Aqui, as famosas tortilhas de milho crocantes em formato triangular são conhecidas graças a um famoso salgadinho, mas em outras partes do globo os “nachos” – como são chamados originalmente – vêm numa deliciosa combinação de queijo cheddar e pimenta, ideal para acompanhar uma cerveja geladinha.

Segundo a lenda, esta comida surgiu como uma invenção de Don Ignacio Anaya, lá nos idos de 1943 na cidade de Piedras Negras, divisa com o estado norte-americano do Texas. Enquanto ele trabalhava no “Moderno Restaurant”, pertinho da fronteira com os Estados Unidos, 12 mulheres esposas de soldados estadunidenses se alojaram na região para fazerem compras e acabaram fazendo uma pausa para refeição no local. Por conta do horário, já não havia muitos ingredientes disponíveis para alimentar tantas bocas e foi aí que Don “Nacho” Anaya teve uma simples e geniosa ideia: preencher o resto de tortilhas de milho fritas com condimentos locais, colocá-las no forno e deixá-las dourarem até ficarem bem crocantes. 

O “especial do Nacho”, como ficou conhecido na época, foi passado de boca em boca e hoje configura como um dos mais tradicionais pratos da culinária “tex-mex” – sigla que une o nome do estado americano ao país latino. 

Nutritivo e caliente ao mesmo tempo, essa receita que une culinária tradicional indígena, engenhosidade e um pouco de sorte é garantia de sucesso nas mesas de norte ao sul do planeta. Só não esqueça de ter um bom copo de cerveja ao lado caso a coisa fique quente demais!

¡Buen provecho!   

 

Nachos Beer Calientes

Ingredientes

  • 500g de carne moída
  • 100g de cebola picada
  • 15g de alho picado
  • 20g de manteiga
  • 150g de molho de tomate
  • 350ml de cerveja Lager
  • 200g de nachos
  • 40g de pimenta jalapeño
  • 80g de queijo cheddar ou prato ralado grosso
  • 2 tomates sem semente picados
  • Sal e cheiro verde a gosto

Modo de preparo

  1. Refogue a carne na manteiga até começar a fritar, adicione a cebola e o alho e deixe dourar. Coloque um pouco de sal; 
  2. Adicione a cerveja e deixe reduzir pela metade do líquido. Coloque o molho de tomate e deixe em fogo baixo até engrossar. Quem quiser, pode colocar um pouco da jalapeño para cozinhar junto com a carne. Acerte o sal; 
  3. Fora da panela, misture os tomates picados à carne moída; 
  4. Em uma travessa, coloque os nachos, a carne e cubra com o queijo. Salpique cheiro verde e as pimentas Jalapeño em fatias. A Jalapeño também pode ser servida a parte. Para quem quiser, sirva com sour cream e guacamole. Sirva imediatamente, com uma boa cerveja acompanhando.

 

Fonte da receita: Clube do Malte

Com informação de: Fundação Heinrich-Böll-Stifung, La Vanguardia e Wikipédia

Leia Mais

Águas de Märzen (Märzenbier)

Bebidas, Bom de copo, Estilos de Cerveja

26/08/2019

Assim como a Natureza possui os seus ciclos, as cervejas também acompanham (ou pelo menos acompanhavam…) os ritmos do planeta, suas estações e possibilidades de cada época. Afinal, água, malte, lúpulo e levedura são ingredientes naturais que sofrem com as intempéries do clima – e quando nos referimos a Alemanha do século 16, sem qualquer tipo de tecnologia de previsão meteorológica ou refrigeração, uma simples frente fria ou uma onda de calor extrema poderia significar o fim da colheita, ou o fim da sua cerveja.

Enquanto as “águas de março fecham o verão” no Brasil e no Hemisfério Sul, lá no Norte o terceiro mês do ano significa o contrário: o fim de um longo inverno e abertura da temporada de calor. Logicamente, a partir desse momento, não era mais permitida (ou pelo menos recomendada) a confecção da cerveja na região da Baviera justamente pela falta de refrigeração – fermentar no calor era um negócio perigoso para a saúde.

Segundo relatos e escrituras antigas da região, as últimas cervejas confeccionadas em março (Märzenbier em alemão) eram guardadas em cavernas, onde a rocha mantinha a temperatura média do ambiente relativamente baixa, teoricamente geladinha, para serem consumidas no verão.

Após madurarem meses a fio, estas Lagers da Baviera possuíam, em geral, um aspecto âmbar alaranjado até algumas bem mais escuras, conhecidas como dunkles Märzen, de cor marrom. Ricas nos aromas dos maltes e com pouco aroma de lúpulo, as Märzenbier geralmente evocam sabores mais tostados e, dependendo da região, um dulçor a caramelo (notadamente as Märzen vienenses). Em geral, são cervejas de concentração alcoólica mais “elevada”, entre 5,8% e 6,3% ABV.  

Embora não necessariamente comportam a mesma origem, “as cervejas de março” ganharam sua fama internacionalmente no século 19 com a popularização das Vienna Lager no Oktoberfest. Por isso, muitas vezes ao buscar sobre a origem deste estilo, muitos tendem a assimilar uma Vienna Lager, uma Oktoberfest e uma Märzenbier num único grupo.

Com informação de: All About Beer, American Craft Beer e Wikipédia 

Leia Mais

117

Arroz com Cerveja Escura

Beerfood, Receitas Típicas

12/08/2019

O que é, o que é: não é cerveja, mas está presente na mesa de todo brasileiro e brasileira; não é cerveja, mas também é nutritivo; não é cerveja, mas é uma delícia. Base alimentar de norte ao sul do país, o assunto de hoje é arroz – e claro – cerveja.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o cultivo de arroz nasceu na Ásia, entre a China, Índia e Mianmar, há doze mil anos, estendendo-se ao Japão e posteriormente à Europa por volta do século VII e VIII com a conquista árabe na Península Ibérica. Ainda de acordo com a Embrapa, o Brasil teria sido o primeiro país da América a ter plantado esse cereal no continente americano. Outros estudos afirmam que os povos indígenas já conheciam o arroz, conhecido pelos tupis como “abati-auapé”.

Oficialmente tendo chegado de navio em plena frota de Pedro Álvares Cabral em 1500, o arroz conquistou o solo brasileiro apenas trinta anos depois, em 1530, quando foi cultivado na Capitania de São Vicente. No final daquele século, já havia lavouras arrozeiras espalhadas pela Bahia e Maranhão. Hoje em dia, quem responde pela grande maioria da produção desse cereal no Brasil são os estados do sul que, segundo o portal Brazilian Rice, três quartos de toda a colheita em território nacional é feita entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Para se ter uma ideia da amizade entre o brasileiro e o arroz, e nas palavras do portal acima mencionado, o Brasil é o maior produtor e consumidor desse cereal fora da Ásia. Em reportagem deste ano para o portal Terra, estima-se que somente em 2019, mais de dez milhões de toneladas desse cereal serão produzidas aqui.

Indispensável para um bom prato nosso de cada dia, hoje vamos combinar o cereal favorito do brasileiro e da brasileira com a nossa bebida favorita, a cerveja. Na hora de você fazer o básico, é possível também fazer bonito.

Arroz com Cerveja Escura

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de arroz
  • 1 cebola
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 2 latas de cerveja escura
  • Sal e pimenta-do-reino a gosto
  • Salsinha a gosto

Modo de Preparo

  1. Deixe a cerveja na temperatura ambiente. 
  2. Lave o arroz em água corrente e espere todo o excesso de água escorrer. 
  3. Corte a cebola em cubinhos e aqueça a manteiga. Junte a cebola e refogue-a até ficar transparente. 
  4. Adicione o arroz e frite até começar a pegar no fundo da panela. 
  5. Junte a cerveja, mexa e tempere com o sal e a pimenta. 
  6. Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe até o arroz ficar macio. Se necessário, junte mais água quente. 
  7. Retire do fogo e sirva.

 

Com informação de Brazilian Rice, Embrapa, Portal Educação, Terra e Wikipédia

Fonte da receita: Buteco Nosso

Leia Mais

348

Churros de Cerveja

Beerfood, Doces e Sobremesas

22/07/2019

Se por acaso você era criança nos idos 1990, o doce – e assunto de hoje – trazia, invariavelmente, uma associação à famigerada série de televisão mexicana, cujo protagonista anti-herói era conhecido como Chaves. Além do inalcançável sanduíche de presunto, a principal regalia que deixava muitos de nós, pequenos sonhadores, com água na boca eram os tais dos churros. Mas o que são churros, afinal? De onde eles vêm?

Segundo o portal independente The Prisma, essa aventura gastronômica teve início no século 16 quando os portugueses embarcaram em terras chinesas. Foi lá, do outro lado do mundo, que os lusitanos ouviram e provaram o “youtiao” pela primeira vez – tiras de massa frita consumidas pela classe trabalhadora chinesa no café da manhã. Ainda, de acordo com o mesmo portal, “youtiao” significava “demônio frito em óleo”, e era servido em pares, numa pequena “homenagem” a duas figuras da dinastia Song que haviam matado um general importante da época.

Da China para Portugal, de Portugal para Espanha e da Espanha para a América Latina foi um pulo – ou melhor, um navio. Aqui no Ocidente, a massa passou de uma comida popular salgada a ser uma sobremesa real. Na época, o chocolate era um produto caro e símbolo de status que, somado ao novo formato em estrela, era o prato-ostentação da época.

Atração obrigatória dos parques de diversão e feiras nacionais, embora a tradicional versão chinesa do churro salgado ainda sobreviva em algumas partes do mundo, no Brasil o chocolate acabou ganhando um novo concorrente como um dos seus recheios principais, cedendo boa parte do espaço para o delicioso doce de leite.

  Mais abaixo, juntamos o melhor dos mundos, do sonho infantil ao sonho adulto, num churro clássico de chocolate à base de cerveja. Bom proveito!

 

Churros de Cerveja e Chocolate

Ingredientes

Massa:

  • 250ml cerveja de trigo
  • 50g manteiga
  • 165g farinha de trigo (1 xícara)
  • 1 pitada de sal
  • Óleo para fritar
  • Açúcar e canela para empanar

Cobertura:

  • 200g chocolate meio amargo
  • 75g creme de leite fresco
  • 50ml leite
  • 1 colher de chá de curry
  • ½ pimenta dedo de moça

 

Modo de Preparo

  1. Coloque a cerveja em uma panela em fogo médio até que ela reduza para aproximadamente 200ml. 
  2. Adicione o sal e a manteiga até que esteja totalmente derretida.
  3. Junte a farinha toda de uma vez, desligue o fogo e mexa até homogeneizar.
  4. Coloque a massa em um saco de confeitar com ponta de “estrela” e deixe resfriar na geladeira ou congelador, enquanto prepara a cobertura.
  5. Para a cobertura, junte o leite, creme de leite, curry, pimenta e leve ao fogo até levantar fervura. Curry e pimenta a gosto.
  6. Pique o chocolate em pedaços pequenos. Despeje os líquidos através de uma peneira sobre o chocolate e mexa até homogeneizar. Mantenha aquecido.
  7. Aqueça o óleo para fritar os churros.
  8. Para cortar a massa você pode usar uma tesoura ou a ponta dos dedos.
  9. Ao retirar os churros da fritura, coloque-os em papel toalha para que absorva todo o excesso de óleo e passe na mistura de açúcar e canela.
  10. Arrume os churros em um recipiente alto, ou copo tipo pint.
  11. Sirva com a cobertura de chocolate em recipiente separado. 

 

Fonte da receita: A Perua da Cerveja (contém adaptações)

Com informação de: The Prisma

Leia Mais

4850

Confit de Pato ao Molho de Laranja e Cerveja

Aves, Beerfood

24/06/2019

O pato vinha cantando alegremente… até que um dia caiu na panela. Azar do pato, sorte a dos humanos, hoje trazemos uma receita dos tempos da Cleópatra até a sua mesa, com um toque – é claro – do delicioso sabor da cerveja escura.

Desde que o mundo é mundo, o ser humano sempre buscou a melhor maneira de conservar seus alimentos. Não à toa, no Antigo Egito, há mais de quatro mil anos, um método bem conhecido de preservar a comida do dia de hoje para os dias vindouros era mergulhar o alimento em condimentos (como o açúcar e o mel) ou em gordura. Essa cultura de conservar os alimentos em banha animal atravessou a História, passou de geração em geração também nos impérios grego e romano, e ganhou um destaque na Idade Média, em especial sob o gosto de Henri IV, rei da França (de 1589 a 1610). Foi graças a ele que, por exemplo, o pato em banha deixou de ser um prato “popular”, campesino, e alcançou o status de comida nobre, da realeza.  

Em francês, este método de conservação é conhecido como “confit”, do verbo “confire”, e pode ser tanto usado para doces – em “confiture”, que significa geleia ou fruta embebida em açúcar – quanto para salgados, como o “confit de canard” – ou pato conservado na gordura.

Tradicionalmente, o confit de pato é uma receita associada à região do sudoeste da França, cujo clima e geografia permitem uma boa criação deste animal. No Brasil, segundo estudo divulgado em 2018 pela Associação Brasileira de Proteína Animal, a produção e exportação deste animal se concentram basicamente no sul do país, sobretudo em Santa Catarina. Somente este estado foi responsável por 99,994% de toda a exportação de carne de pato ao resto do mundo, a mais de 20 países, representando um total de quase 3,5 mil toneladas do animal e gerando uma receita de quase 9 milhões de dólares ao país em 2017.

Comparativamente, enquanto o brasileiro médio consome apenas 13 gramas de carne de pato por ano, um europeu come 1kg desta carne e um chinês chega a consumir 1,5kg da ave anualmente. Assim sendo, embora a carne de pato ainda não seja uma preferência nacional, os números também indicam que ano após ano o brasileiro está introduzindo em sua mesa esse tipo de alimento.

Se você por acaso não teve a oportunidade de experimentar um delicioso confit de pato à moda francesa, hoje lhe trazemos uma receita turbinada com a nossa bebida favorita, a cerveja, de fazer qualquer um suspirar e dizer: “ulalá!”.

Bon appétit!

 

Confit de Pato ao Molho de Laranja e Cerveja

Ingredientes

  • 4 coxas (com sobrecoxa) de pato
  • 1/3 de maço tomilho
  • 4 ramos alecrim
  • 4 dentes alho picados
  • 80 gramas sal grosso
  • 20 g pimenta-preta
  • 750 ml azeite de oliva
  • 500 ml de cerveja escura

Para o molho:

  • 200 gramas açúcar
  • 100 ml de vinagre
  • 300 ml suco de laranja
  • 250 ml de caldo de legumes ou frango
  • 100 gramas manteiga
  • 50 gramas roux (caso seja necessário para a liga)

Modo de Preparo

  1. Tempere as coxas com as ervas, o sal grosso, o alho, pimenta e cerveja, deixando na geladeira de um dia para o outro. No dia seguinte, leve o azeite ao fogo em panela alta.
  2. Quando estiver bem aquecida, a mais ou menos 80 Cº, acrescente as coxas e leve ao forno coberto com papel alumínio para que cozinhe lentamente em fogo baixo 150Cº (tomando cuidado para que não ferva) por uma hora e meia.
  3. Após uma hora e meia, tire o papel alumínio e deixe para dourar por mais 15 minutos
  4. Molho de laranja: em panela pequena, leve o açúcar ao fogo médio até caramelizar. Acrescente o vinagre. Adicione o suco de laranja e o caldo de legumes diluído em um pouco de água quente.
  5. Acrescente a manteiga e misture bem até ter uma textura aveludada
  6. Adicione o roux caso o molho estiver muito líquido
  7. Sirva com arroz ou batatas ao murro

Fonte da receita: CookPad (contém adaptações)

Com informações de: Associação Brasileira de Proteína Animal, APEX-Brasil, Lafitte e Wikipédia

Leia Mais

211

É biscoito ou é bolacha?

Beerfood, Doces e Sobremesas

03/06/2019

Vamos combinar que o assunto é espinhoso e de difícil negociação. Mais polarizado que uma final Fla-Flu, que os eleitores brasileiros num dia de votação, que um jantar em família na casa da sua tia-avó: quando se trata de “biscoito” ou “bolacha”, o país racha ao meio e jura de pés juntos que cada qual está mais certo do que o outro.

De acordo com Sueli Carrasco em texto publicado à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), foram os gregos que tiveram a brilhante ideia de juntar o mel, o leite e a canela à receita clássica de pão, elaborada por escravos, numa tradição que passava de pai para filho. Ainda, segundo a autora, tanto os romanos quanto os árabes contribuíram com a popularização desse alimento ao introduzirem novas técnicas de fornada e adição de especiarias que vinham do Oriente à Europa.

O “boom” do biscoito aconteceu por volta do século 17, quando a Inglaterra – na época a maior produtora de bolacha do planeta – expandiu seus mercados à América e trouxe aos Estados Unidos a iguaria inglesa à mesa. Na época, o produto recebia o nome francês “biscuit”, que por sua vez vinha do latim (“bis coctus”) que significa literalmente “cozido duas vezes” – o que garantia que o alimento não estragasse tão facilmente. Já a palavra bolacha, também de origem latina, surge com a junção de “bulla” (objeto esférico) e o sufixo “acha” (pequeno), ou seja, “objeto esférico pequeno”.

   Conforme os últimos dados publicados pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI), o Brasil produziu nada mais nada menos do que 1 milhão e 157 mil toneladas de biscoito no ano passado, sendo o quarto maior produtor do planeta, atrás apenas da China, Estados Unidos e Índia.

Embora o registro e o uso popular da palavra “biscoito” seja mais antigo que o da palavra “bolacha” em território brasileiro, ambos os termos são considerados sinônimos a nível legislativo. Segundo matéria publicada no portal Superinteressante, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária que regula o produto considera ambas as palavras sinônimas.

Numa divertida e informal enquete realizada com mais de oito mil pessoas pelo portal acima mencionado, concluiu-se que enquanto os habitantes dos estados do Sul, Centro-Oeste, Amazonas, Rondônia, Roraima, São Paulo e Tocantins preferem se deliciar com um biscoito, os demais estados do Norte, Nordeste e Sudeste tendem a comer bolacha no seu dia a dia.

Qual dos dois está correto? Você decide. Uma coisa é certa: depois de fazer a receita super fácil abaixo, o assunto da mesa vai ser unânime, a sua sobremesa estará uma delícia.

 

Biscoito / Bolacha de Cerveja

Ingredientes

  • 250 g de margarina ou manteiga
  • 500 g de farinha de trigo
  • ½ copo de cerveja clara

Modo de Preparo

  1. Amassar tudo e fazer rosquinhas.
  2. Passar no açúcar cristal e colocar para assar em forma untada com óleo.

 

Com informações de: Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados; Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Superinteressante

Fonte da receita: Tudo Gostoso

Leia Mais

5996

Linguiça no Melaço da Cerveja

Beerfood, Carnes, Comida de Boteco

13/05/2019

Ela está presente em todas as aberturas de churrasco, em todos os menus de bares e em peças-chave da culinária brasileira, como a feijoada. Hoje, conheceremos um pouco mais sobre a história da popular e querida linguiça.

Não se tem exatamente um registro oficial da primeira linguiça que surgiu no mundo, uma vez que sua origem é mais do que milenar. Sabe-se, no entanto, que a linguiça apareceu como meio de preservação dos alimentos de caças, cuja carne picada era salgada, misturada com a gordura do animal e protegida por pele de tripa, numa espécie de bolsa em formato roliço.

A origem da palavra linguiça é associada à italiana “luganega”, que faz referência a um antigo povo da região histórica da Lucânia, ao sul do país, que confeccionava este tipo de embutido. Numa provável troca cultural gastronômica, os romanos associavam a trouxinha de carne como algo daquela região e se referiam a essa comida desta maneira.  

Segundo destacado no portal Wikipédia, um dos registros históricos mais antigos e famosos acerca deste tipo de alimento data do ano 60 d.C. – isto é, há quase dois mil anos. Em sua obra Satíricon, o escritor romano Petrônio descreve as aventuras do jovem Encólpio pela Roma Antiga quando, num jantar:

“Fuerunt tomacula super craticulam argenteam ferventia posita, et infra craticulam

Syriaca pruna cum granis Punici mali”.

– Isto é –

Linguiças que fumegavam numa churrasqueira de prata, e, embaixo da churrasqueira,

Havia ameixas, damascos e grãos de romã

Dos caçadores, passando pelo Império Romano até o seu prato nos dias de hoje, a linguiça viajou o Atlântico e foi trazida pelos portugueses no século XVI ao Brasil. Praticamente um sinônimo de churrasco na atualidade, não há nada melhor do que uma suave combinação apimentada com um refrescante gole de cerveja para alegrar a sua tarde. 

Linguiça no Melaço da Cerveja

Ingredientes

  • 480g de linguiça de carne suína
  • 1 xícara de açúcar mascavo
  • 1 lata de cerveja escura

Modo de preparo

Corte as linguiças em fatias não tão pequenas, misture o açúcar e a cerveja escura, leve ao fogo baixo para cozinhar. Mexa de vez em quando até o caldo caramelizar e reduzir. Em 40 minutos sua receita estará pronta.

Dica: cuidado para não deixar o melaço queimar ou ficar puxa-puxa demais, ele tem que ficar encorpado, um pouco mais líquido do que uma calda de pudim, por exemplo.

Fonte da receita: Na minha panela (contém adaptações)

Com informações de: Charcutaria Online, Fernando Barroso, Perseus Digital Library e Wikipédia

Leia Mais

1537

Bacalhau na Cerveja

Beerfood, Peixes e Frutos do Mar

22/04/2019

E lá se foi a Quaresma. Num país de maioria católica, como o Brasil, muitas pessoas aproveitaram a Páscoa para celebrar a Semana Santa que neste ano caiu entre os dias 14 e 21 de abril. Mas o que isso significa, afinal?

Lá no ano de 325 d.C., a Páscoa ficou estabelecida como o primeiro domingo após a primeira lua cheia do equinócio da primavera no Hemisfério Norte. Isto é, quando a estação das flores e da colheita se apresenta ao mundo e a Lua aparece totalmente iluminada pela primeira dentro deste período. Por este motivo a Páscoa é sempre um feriado móvel.

A simbologia não poderia ser mais clara: renascimento, ressurreição e hora de comemorar. Segundo a tradição cristã, foi no domingo de Páscoa que Jesus Cristo ressuscita à vida após o terceiro dia no mundo dos mortos. Trata-se, também, do fim dos quarenta dias de penitência, conhecidos como Quaresma, em que finalmente os cristãos já não precisam realizar o jejum diário segundo a Bíblia.

Já o bacalhau foi introduzido ao Brasil através da corte portuguesa. Lembrando que a dieta de carnes sempre foi um artigo de luxo ao longo da História, o bacalhau por se tratar de um produto relativamente popular na época, a preços acessíveis, este peixe representava a fartura na hora da celebração católica – um símbolo de opulência e de esbanjar a fartura.

Com apoio popular e muita devoção, os brasileiros fizeram do bacalhau um exemplo de prato típico na Páscoa. Hoje, nós trazemos uma receita turbinada aos que apreciam uma boa cerveja para, enfim, comemorar os felizes tempos de colheita e devoção.

Bacalhau na Cerveja  

Ingredientes

  • 600 g de bacalhau fatiado
  • 1,5 kg de batatas
  • 1 Pimentão Vermelho
  • 3 cebolas
  • 3 dentes de alho
  • 1 lata grande de tomate pelado
  • 1 lata de cerveja clara
  • 15 ml de azeite
  • Azeitonas pretas
  • Sal e pimenta

Modo de Preparo

Descasque as batatas, corte-as em rodelas grossas, lave-as, coza-as em água temperada com sal durante 15 minutos e depois escorra.

Descasque as cebolas e os alhos, corte as cebolas em meias luas finas e pique os alhos. Lave o pimentão, retire as sementes e peles brancas e corte-o em tiras. Leve a panela ao fogo médio com o azeite e alhos, deixe aquecer, adicione a cebola e deixe cozinhar até ficar macia. Adicione em seguida as tiras de pimentão, misture, junte o tomate pelado picado com o molho, mexa e deixe ferver. Junte então o bacalhau e a cerveja, deixe ferver, adicione sal e tempere com uma pitada de pimenta.

Ligue o forno a 180 graus. Coloque as batatas num pirex, cubra com a mistura do bacalhau e leve ao forno durante 30 minutos. Retire e sirva quente polvilhado com salsa picada e decorado com azeitonas pretas.

Fonte da Receita: Receitas e Menus (contém adaptações)

Com informações de: Significados

Leia Mais

1664

Dia da Mentira – Feijão Vermelho

Beerfood, Receitas Típicas

01/04/2019

Pode até parecer mentira, mas o primeiro imperador do Brasil, o português Dom Pedro I, gostava mesmo era de um prato bem brasileiro: arroz, feijão e carne. Com diversos serviçais que provavam a comida do rei para ver se não estava envenenada, a fama do imperador trazia algumas consequências a sua vida pessoal.

Amado e odiado, Dom Pedro teve uma vida pessoal conturbada, com relatos de diversas crises de hiperatividade, ataques epiléticos e casos extraconjugais. Por se tratar de uma figura pública, nem mesmo ele, o rei, foi perdoado em primeiro de abril de 1828. Segundo a publicação “A Mentira”, que relatava a vida dos famosos da época, o periódico noticiou o seu falecimento – o que viria a acontecer apenas sete anos mais tarde, em 1834 em decorrência de uma crise de tuberculose. O jornal teve que se retratar no dia seguinte e desmentir a notícia.

Tanto Portugal quanto o Brasil já haviam aderido à famigerada data numa importação cultural francesa. Tudo isso porque, em 1584, o rei Carlos IX da França passou a adotar o calendário gregoriano cujo ano se iniciava em primeiro de janeiro. Diferente do calendário anterior, cuja mudança de ano era festejada em 25 de março, com a chegada da primavera europeia, o novo calendário foi rejeitado por uma parcela da população francesa que se recusava a comemorar o fim do ano em dezembro, passando a ser ridicularizada pelos demais cidadãos.

Entre outras brincadeiras, aqueles que não queriam que o ano novo se iniciasse em primeiro de janeiro passaram a ganhar presentinhos bobos e convites a festas em lugares que não existiam. De forma geral, esta brincadeira se extravasou pelos povos europeus e foi trazida à América, sendo celebrada até os dias de hoje.

Se as histórias que circulam sobre Dom Pedro I são reais ou não, talvez jamais saberemos, mas uma coisa é certa: hoje é um dia no qual todas as mentiras são, em parte, verdadeiras.

Feijão vermelho na cerveja

Modo de preparo

  1. Ponha o feijão de molho em água fria de véspera.
  2. Leve ao fogo os alhos picados, a linguiça cortada em rodelas e a margarina.
  3. Deixe saltear um pouco, adicione o tomate pelado sem sementes, cortado em quadradinhos, tape a panela e deixe ferver durante 5 minutos.
  4. Escorra o feijão, coloque-o numa panela, cubra com água fria e deixe-o ferver durante 20 minutos.
  5. Adicione o feijão depois de bem escorrido e junte ao preparado anterior.
  6. Tempere com sal e adicione a cerveja.
  7. Tape e deixe cozer sobre fogo médio cerca de uma hora, até os feijões estarem bem cozidos.
  8. Depois de pronto, polvilhar com cominhos a gosto.

Ingredientes

  • 250 gramas de feijão vermelho
  • 4 dentes de alho
  • 50 gramas de margarina
  • 1 linguiça
  • 4 unidades de tomate maduros
  • 1 malagueta fresca vermelha
  • 1 malagueta fresca verde
  • 300 ml de cerveja clara
  • sal e cominhos a gosto

Leia Mais

7986

Bolo de Cerveja Escura

Beerfood, Doces e Sobremesas

15/03/2019

Existem fatos tão consolidados e arraigados em nossa cultura que muitas vezes não paramos para pensar de onde eles vêm e o porquê. Imagine-se, por exemplo, como um viajante espacial chegando a um planeta desconhecido. Neste planeta, os seres de um clã se reúnem uma vez ao ano em torno de um deles, acedem fogos e aderem a um cântico uníssono e breve, seguido por uma manifestação física ruidosa e depois silêncio. Soa familiar?

De acordo com o portal Superinteressante, o ritual de se comemorar um aniversário data mais de 5.000 anos. Com registros oficiais do Egito antigo, a tradição que antes era reservada apenas aos deuses e semideuses, isto é, aos faraós e seres do outro mundo, passou a ser “popularizada” também aos reles mortais. Embora, há muitíssimo tempo, o cristianismo havia proibido tal prática – por justamente não corresponder à adoração de um único deus –, a Igreja foi a responsável por trazer o aniversário de volta ao calendário Ocidental com a comemoração do nascimento de Cristo no dia 25 de dezembro.

Dentre uma das possíveis explicações para o formato da festividade, com um bolo redondo preenchido de velas, figura-se a reverência da Grécia antiga à deusa Artêmis, a deusa da Lua. O redondo simbolizava a Lua cheia e as velas a sua luz refletida na Terra.

Ainda mais inusitado, segundo o portal Bonde, antes de passarem a representar a comemoração dos seres terrestres, os antigos romanos tinham uma tradição bem peculiar: as famílias ricas preparavam deliciosos bolos para o casamento de seus entes queridos, mas, ao invés de os saborearem, eles eram amassados e jogados em direção aos noivos como símbolo de boa fortuna e adoração aos deuses.

Já na passagem da Idade Média para a Idade Moderna após o período das Grandes Navegações, o cacau trazido da América pelos espanhóis nos séculos XV e XVI marcam a profunda associação (para não dizer reverência) do bolo com o chocolate. Hábito comum nas grandes cortes europeias, as tortas recheadas com mais de um andar passaram a ser símbolo de status e opulência: quanto maior, mais nobre era a família.

Por isso, não fique surpreso(a) se um dia um viajante de outro mundo vier nos visitar e perguntar o motivo desta tão peculiar tradição de aniversário. Basta dizer ao nosso amigo interestelar que, entre a comemoração à deusa da Lua, o nascimento de Cristo, os faraós e seres de outro mundo, desejamos a um ente querido uma boa vida, regada de muita riqueza e felicidade.

 

Bolo de Cerveja Escura

Ingredientes

  • 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
  • 2 xícaras (chá) de açúcar
  • 1 xícara (chá) de cerveja escura
  • 3 ovos
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de Preparo

  1. Bata as claras em neve e reserve.
  2. Em um recipiente misture a farinha, o açúcar, as gemas, a cerveja escura e bata até a massa ficar homogênea.
  3. Acrescente o fermento e as claras em neve e misture bem.
  4. Despeje em uma forma untada.
  5. Leve ao forno pré-aquecido por aproximadamente 40 minutos.
  6. Cobertura a gosto.


Informação de: Portal Bonde, Superinteressante
Fonte da receita: Tudo Gostoso (contém adaptações)

Leia Mais